Vinho tinto Orgânico Masi Passo Doble Malbec Corvina
Argentina
Mendoza, Argentina

Vinho tinto Orgânico Masi Passo Doble Malbec Corvina

Masi Passo Doble é um tinto sedutor, elaborado segundo a técnica de dupla fermentação, introduzida pela vinícola italiana Masi Agricola na Argentina. É um tinto autêntico, cheio de fruta preta no nariz combinada a notas de especiarias, especialmente canela, e de baunilha. A acidez é excelente e, na boca, a textura é marcada por taninos firmes. Passo Doble tem um final longo, frutado e especiado.

Harmonizações:
É muito versátil gastronomicamente, harmonizando com carnes grelhadas e queijos maduros
JS
92
Classifique esse vinho
compre agora e garanta o melhor preço
DE R$96,00
R$79,90

Em até 3x de R$26,63 s/ juros

Masi Passo Doble é um tinto sedutor, elaborado segundo a técnica de dupla fermentação, introduzida pela vinícola italiana Masi Agricola na Argentina. É um tinto autêntico, cheio de fruta preta no nariz combinada a notas de especiarias, especialmente canela, e de baunilha. A acidez é excelente e, na boca, a textura é marcada por taninos firmes. Passo Doble tem um final longo, frutado e especiado.
Mais informações
País: Argentina
Região:
Produtor:
Uva: Corvina e Malbec
Tipo:
Teor Alcoólico:
Volume da Garrafa:
Temperatura de serviço:
Safra: 2016
JS
92
Vinho tinto Orgânico Masi Passo Doble Malbec Corvina

Ao vinho jovem resultante da fermentação de uvas Malbec em tanques de inox são adicionados 15% do mosto obtido a partir de uvas Corvina levemente desidratadas pela técnica de appassimento, uma inovação da Masi Agricola e que promove a concentração de aromas e sabores. Isso provoca uma segunda fermentação alcoólica que também é ajudada por leveduras selecionadas. Em seguida, realiza-se a fermentação malolática e o vinho passa por um estágio de 9 meses em barricas de carvalho francês, sendo 30% novas e 70% de segundo uso.

É muito versátil gastronomicamente, harmonizando com carnes grelhadas e queijos maduros

Masi Agricola, vinícola de referência da região italiana do Vêneto, atravessou meridianos e paralelos e levou sua expertise além-mar, instalando-se nas altitudes de Mendoza para elaborar tintos e brancos de “alma argentina, estilo vêneto”– esta é a filosofia que guia sua unidade Masi Tupungato. A famosa região sul-americana conquistou a família Boscaini, proprietária da Masi Agricola e líder na produção de Amarone, por ser um território vitivinícola de excelência – com condições excepcionais também para o cultivo das variedades de uva do Vêneto, como a Corvina e a Pinot Grigio. Outra característica que chamou a atenção dos Boscaini foi a possibilidade de criar um projeto sustentável, baseado no cultivo orgânico, já que o clima seco de Mendoza permite esse modo de produção. Instalada em La Arboleda, Tupungato, no sonante Vale do Uco, a Masi Tupungato começou a ser concretizada em 1990 com a plantação dos primeiros vinhedos entre 950 e 1050 metros de altitude, em um solo pedregoso, composto de areia e calcário e com bom conteúdo de minerais. Atualmente, as vinhas, que seguem a viticultura orgânica, preenchem 100 hectares, sendo 80% de variedades tintas e 20% de brancas. As uvas italianas Corvina (a cepa tinta mais importante do Vêneto, responsável pelo caráter do cobiçado Amarone) e a popular cepa branca Pinot Grigio dividem espaço com as emblemáticas uvas cultivadas na Argentina – Malbec e Torrontés. Os primeiros vinhos chegaram ao mercado no início do século XXI e logo surpreenderam por se mostrarem diferentes, mais refinados do que os tintos e brancos alcoólicos, intensos e encorpados que predominam na Argentina. Masi empregou também nos vinhos que elabora em Mendoza sua expertise em appassimento – que consiste em deixar os cachos de uvas em esteiras de bambu após a colheita, durante os meses de inverno, para desidratarem e, assim, concentrarem aromas e sabores. É uma técnica nativa do Vêneto na qual a Masi é grande especialista e que foi possível ser replicada na América do Sul graças às condições particulares da região de Mendoza. Com isso, Masi Tupungato apresentou ao mundo tintos e brancos originais – diferentes de tudo o que você pode esperar dos vinhos argentinos.