Vinho Tinto De Martino Viejas Tinajas Cinsault
Chile
Vale do Itata, Chile

Vinho tinto De Martino Viejas Tinajas Cinsault

De Martino Viejas Tinajas Cinsault é um vinho tinto chileno diferente de todos os outros. Muito distinto e atraente, elaborado com a uva francesa Cinsault de vinhedos orgânicos, localizados no sul do país, e com fermentação em ânforas de barro centenárias. Este tinto esbanja pureza nos aromas de cereja negra e amora, mostra ainda camadas de especiarias e de toques terrosos. Na boca é muito cativante, com corpo médio e boa acidez. Tem um final persistente e agradável.

Harmonizações:
Vitelo assado com ervas e especiarias, atum grelhado na brasa, rosbife e queijos delicados.
Classifique esse vinho
compre agora e garanta o melhor preço
DE R$191,00
R$177,00

Em até 3x de R$59,00 s/ juros

Viejas Tinajas Cinsault é uma deliciosa novidade do mundo do vinho. Elaborado por De Martino a partir de vinhedos orgânicos, na remota região do Vale do Itata, sul do Chile, é um vinho tinto muito original.    
Mais informações
País: Chile
Região:
Produtor:
Uva: Cinsault
Tipo:
Teor Alcoólico:
Volume da Garrafa:
Temperatura de serviço:
Safra: 2017
Vinho Tinto De Martino Viejas Tinajas Cinsault

As uvas Cinsault são colhidas manualmente em vinhedos antigos, plantados em 1982 em pé franco, no Vale de Itata, sul do Chile. As uvas fazem fermentação carbônica em ânforas centenárias. O vinho é submetido à fermentação malolática e engarrafado sem filtragem.

Vitelo assado com ervas e especiarias, atum grelhado na brasa, rosbife e queijos delicados.

A vinícola foi fundada em 1934 pelo imigrante italiano Pietro De Martino Pascualone, que se estabelecera no Vale do Maipo com o objetivo de produzir vinhos com a mesma paixão que o movia em sua terra natal - Abruzzo. De Martino marcou a história da vitivinicultura chilena ao ser a primeira vinícola a exportar vinhos produzidos a partir da uva Carménère, em 1996. Atualmente, é gerida pela quarta geração da família e possui um amplo portfólio, com vinhos tintos, brancos e rosés das denominações Maipo, Casablanca, Limarí, Cachapoal, Maule, Elqui e Choapa. A De Martino também encabeça projetos especiais no Vale de Itata, uma antiga região vitivinícola no sul do país que vem renascendo. Com dois enólogos chilenos experientes à frente da produção de vinhos, a De Martino tem privilegiado a viticultura orgânica e um processo de vinificação o mais natural possível, sempre com leveduras indígenas. Já o envelhecimento dos vinhos é realizado em cubas de aço inoxidável, de concreto ou em barricas usadas.