Vinho tinto Châteauneuf-du-Pape La Bernardine
França
Rhône, França

Vinho tinto Châteauneuf-du-Pape La Bernardine

Esta ótima interpretação de Chapoutier para um vinho histórico, o Châteauneuf-du-Pape, mereceu 90 pontos e muitos elogios da Wine Spectator na safra de 2012. O La Bernardine é elaborado majoritariamente com a elegante Grenache, além da emblemática Syrah e a Mourvèdre, e maturado em tanques de concreto. A bela cor, característica de um Grenache de baixos rendimentos, e o complexo bouquet antecipam um tinto extremamente saboroso, rico e elegante no palato, com um longo final de boca.

 

Harmonizações:
Boeuf en Daube. Carne com molho de vinho e coelho com azeitonas.
Classifique esse vinho
compre agora e garanta o melhor preço
R$783,30

Em até 3x de R$261,10 s/ juros

Esta ótima interpretação de Chapoutier para um vinho histórico, o Châteauneuf-du-Pape, mereceu 90 pontos e muitos elogios da Wine Spectator na safra de 2012. O La Bernardine é elaborado majoritariamente com a elegante Grenache, além da emblemática Syrah e a Mourvèdre, e maturado em tanques de concreto. A bela cor, característica de um Grenache de baixos rendimentos, e o complexo bouquet antecipam um tinto extremamente saboroso, rico e elegante no palato, com um longo final de boca.
Mais informações
País: França
Região:
Produtor:
Teor Alcoólico:
Volume da Garrafa:
Temperatura de serviço:
Safra: 2016
Vinho tinto Châteauneuf-du-Pape La Bernardine

Para proteger a Grenache, muita sensível, a fermentação (entre 15 dias e 3 semanas) acontece em cubas de betão com controle das temperaturas.

Boeuf en Daube. Carne com molho de vinho e coelho com azeitonas.

Chapoutier é o maior nome do Vale do Rhône. O genial Michel Chapoutier – um dos maiores enólogos da França, eleito diversas vezes "enólogo do ano" pela Revue du Vin de France – deu uma nova dimensão aos vinhos da região, atingindo a perfeição nas diversas denominações do norte e do sul. De opiniões controversas e dono de um virtuosismo moderno, Michel é adepto da viticultura biodinâmica e da agricultura orgânica. Seus vinhos impecáveis e elegantes – Hermitage, Côte Rôtie, St. Joseph, Cornas, Châteaneuf, entre outros – são referências para a região. As raríssimas “seléction parcellaire” são verdadeiros monumentos, entre os melhores e mais reverenciados vinhos do mundo. Michel Chapoutier costuma receber notas altíssimas da imprensa especializada, acumulando a inacreditável marca de 31 notas 100 de Robert Parker. Nada menos do que 73 vinhos Chapoutier pontuaram com 95 pontos ou mais na Wine Spectator – um resultado superior ao de todos os outros produtores da maioria das regiões produtoras de vinho do mundo. Seu Côtes-du-Rhône Belleruche é considerado um dos melhores vinhos de toda a denominação, com uma excepcional relação entre qualidade e preço. A história da família Chapoutier remonta ao início do século XIX, quando o bisavô do atual proprietário, Michel Chapoutier Marius, comprou a propriedade e algumas vinhas na famosa aldeia de Tain l’Hermitage, no norte do Vale do Rhône. Marius Chapotier fez história na região, quando se tornou o primeiro produtor que vinificava seu próprio fruto. Marius tinha provado outros vinhos de outros produtores elaborados com as suas uvas e percebeu que algo estava “perdido” na tradução, ele sabia que possuía alguns dos melhores vinhedos da região e acreditada que as uvas lá cultivadas poderiam produzir vinhos de classe mundial e com excelente capacidade de envelhecimento.