Vinho tinto Alma Negra M Blend 2016
Argentina
Mendoza, Argentina

Vinho tinto Alma Negra M Blend 2016

Os vinhos Alma Negra, de Ernesto Catena, gozam de imenso sucesso e surpreendem sempre por sua originalidade. O M Blend é um corte de 70% Bonarda e 30% Malbec, macio, cheio de fruta, e de excelente relação qualidade/preço.

Harmonizações:
Este vinho tinto pede pratos ricos, elaborados com carne. Fetuccine ao ragu de cordeiro, bife ancho, file mignon, confit de pato, lombo suíno, paleta e hambúrguer são boas opções de harmonização.
Classifique esse vinho
compre agora e garanta o melhor preço
DE R$153,00
R$129,90

Em até 3x de R$43,30 s/ juros

Os vinhos Alma Negra, de Ernesto Catena, gozam de imenso sucesso e surpreendem sempre por sua originalidade. O M Blend é um corte de 70% Bonarda e 30% Malbec, macio, cheio de fruta, e de excelente relação qualidade/preço.
Mais informações
País: Argentina
Região:
Uva: Bonarda e Malbec
Tipo:
Teor Alcoólico:
Volume da Garrafa:
Temperatura de serviço:
Vinho tinto Alma Negra M Blend 2016

Tradicional com controle de temperatura.

Este vinho tinto pede pratos ricos, elaborados com carne. Fetuccine ao ragu de cordeiro, bife ancho, file mignon, confit de pato, lombo suíno, paleta e hambúrguer são boas opções de harmonização.

Os premiados vinhos Tikal são elaborados em pequena quantidade pelo talentoso Ernesto Catena, filho do grande Nicolás Catena. Ernesto segue um caminho muito próprio e autoral, criando vinhos de estilos únicos. Alma Negra é uma das importantes marcas de seu portfólio, consistindo em vinhos de corte, produzidos a partir de uma cuidada seleção de vinhedos de Mendoza. Já a linha Animal é composta por vinhos elaborados a partir de vinhedos orgânicos e mínima intervenção. Outros exemplares emblemáticos assinados por Ernesto Catena e que revelam sua visão peculiar de produção de vinhos são Patriota, Jubilo, Corazón e Amorío. Ernesto Catena, definitivamente, não é um produtor convencional. Apesar de pertencer à quarta geração de uma linhagem de produtores de vinho, ele seguiu caminhos diversos antes de voltar às raízes e passar a assinar seus próprios vinhos, como o restante da família. Ernesto estudou ciências da computação, design e história e viveu em vários países do mundo. Desenvolveu, assim, um rico “acervo” pessoal, o qual se reflete na sua filosofia de encarar o vinho como parte da alma de um povo e uma forma de conexão com a natureza – algo que fica evidente nas suas diferentes criações. O projeto Tikal, aliás, faz referência aos maias e presta uma homenagem ao universo, mas seu objetivo maior é proporcionar prazer aos que têm a chance de provar seus vinhos.