Vinho rosé Crasto 2016
Portugal
Douro, Portugal

Vinho rosé Crasto 2017

Com 85% de Touriga Nacional, a grande uva tinta portuguesa, o vinho rosé Crasto demonstra a grade dedicação da Quinta do Crasto na elaboração de seus vinhos. Além de delicioso, rico em aromas de frutas vermelhas e de flores (violeta) e com um frescor e uma mineralidade atraentes, este rosé é também uma prova da versatilidade de Touriga Nacional. Os 15% de Tinta Roriz na composição ajudam a tornar o rosé da Quinta do Crasto macio e redondo.

Harmonizações:
Como aperitivo ou para acompanhar petiscos, saladas, pratos leves de massas e peixes, além de sobremesas de frutas.
Classifique esse vinho
compre agora e garanta o melhor preço
DE R$115,00
R$109,90

Em até 3x de R$36,63 s/ juros

Com 85% de Touriga Nacional, a grande uva tinta portuguesa, o vinho rosé Crasto demonstra a grade dedicação da Quinta do Crasto na elaboração de seus vinhos. Além de delicioso, rico em aromas de frutas vermelhas e de flores (violeta) e com um frescor e uma mineralidade atraentes, este rosé é também uma prova da versatilidade de Touriga Nacional. Os 15% de Tinta Roriz na composição ajudam a tornar o rosé da Quinta do Crasto macio e redondo.

Mais informações
País: Portugal
Região:
Tipo:
Teor Alcoólico:
Temperatura de serviço:
Vinho rosé Crasto 2016

As uvas são colhidas no momento certo de maturação, quando já possuem boa concentração de precursores de aromas, além de açúcar e acidez em equilíbrio. São selecionadas e vinificadas em cubas de aço inoxidável com controle de temperatura e o vinho é engarrafado sem contato com madeira.

Como aperitivo ou para acompanhar petiscos, saladas, pratos leves de massas e peixes, além de sobremesas de frutas.

Situada na margem direita do deslumbrante Rio Douro, a Quinta do Crasto é uma das mais belas e elogiadas vinícolas de Portugal na atualidade. Há mais de um século nas mãos da mesma família, a Quinta do Crasto ganhou fama internacional a partir de 1981, quando Leonor Roquette, que herdou a propriedade do pai, Fernando Moreira d’Almeida, assumiu a gestão ao lado do marido Jorge Roquette e dos filhos Miguel e Tomás. Iniciou-se, imediatamente, um movimento de modernização que envolveu a adega e a introdução de novas vinhas, sem descuidar dos vinhedos antigos, alguns centenários e que hoje dão origem aos vinhos topo de gama desta casa. Apesar de estar historicamente ligada à produção de vinho do Porto, a Quinta do Crasto se tornou uma grande referência no mundo do vinho graças aos seus exuberantes tintos, de altíssimo nível de qualidade. Com vista para o Rio Douro, a propriedade possui uma área de 135 hectares, sendo 74 hectares ocupados por vinhas com idades entre 8 e 95 anos e preenchidas por dezenas de castas portuguesas. O portfólio da Quinta do Crasto contempla, hoje, além de uma coleção de vinhos tintos, vinhos brancos muito castiços, rosé e também vinhos do Porto de categorias especiais. Em relação ao nome Crasto, vale esclarecer que deriva do latim “castrum” e significa “forte romano”.