Espumante Ferrari Trento Maximum Brut
Itália
Trentino Alto Adige, Itália

Espumante Ferrari Trento Maximum Brut

De cor Palha com reflexos dourados, brilhante, perlage fino e duradouro. Complexa, tostada e madura, embora muito refinada. Grande personalidade na boca, com avelãs e crosta de pão, cremosa, harmônica e persistente.

Gostou? Confira mais opções de Espumante em oferta.

 

Harmonizações:
carpaccio di branzino (carpaccio de robalo), triglie fritte (trilhas fritas), grigliata di scampi e funghi (grelhado de lagostins e cogumelos frescos), calamari ripieni alla griglia (lulas recheadas com alho, salsinha e pão banhado no azeite extra-virgem), tempura, sushi e sashimi.
JS
92
5 (100%) 1 vote
Classifique esse vinho
compre agora e garanta o melhor preço
DE R$300,00
R$281,00

Em até 3x de R$93,67 s/ juros

De cor Palha com reflexos dourados, brilhante, perlage fino e duradouro. Complexa, tostada e madura, embora muito refinada. Grande personalidade na boca, com avelãs e crosta de pão, cremosa, harmônica e persistente. Gostou? Confira mais opções de Espumante em oferta.
Mais informações
País: Itália
Produtor:
Uva: Chardonnay
Tipo:
Volume da Garrafa:
Temperatura de serviço:
JS
92
Espumante Ferrari Trento Maximum Brut

olheita exclusivamente manual em setembro. Fermentação a 20-22°C dos vinhos base em inox. Malolática completa. Assemblaggio dos vinhos para segunda fermentação. Adição do licor de tiragem com leveduras e açúcar. Tomada da espuma na garrafa, com longo envelhecimento ''sulle fecce'' de 36 meses. Processo de ''remuage'' ou ''rimozione'' mecânico por gyropalette. 36 meses ''sobre as leveduras'' na garrafa, no mínimo.

carpaccio di branzino (carpaccio de robalo), triglie fritte (trilhas fritas), grigliata di scampi e funghi (grelhado de lagostins e cogumelos frescos), calamari ripieni alla griglia (lulas recheadas com alho, salsinha e pão banhado no azeite extra-virgem), tempura, sushi e sashimi.

A vinícola Ferrari tem mais de 100 anos de história dedicados à produção de vinhos espumantes na região do Trentino, no norte da Itália, usando o mesmo método do Champagne – com a segunda fermentação na garrafa (logo no início da visita, a primeira coisa que a guia da vinícola informa é o porquê do Ferrari não ser um prosecco, mas um spumante, um Trento Doc). Na Itália a denominação de prosecco é utilizada para denominar os vinhos que utilizam o método Charmat ou Martinetti que usam a re-fermentação, e neste, tanto o tempo de produção quanto a complexidade técnica são consideravelmente mais baixos do que no método clássico. A Ferrari usa o mesmo método do Champagne – método classico ou método champenoise – e, por isso, não se utiliza o termo “prosecco” e sim a denominação de origem, ou seja um spumanti Trento Doc. A tradição e busca pela excelência, como nos melhores champanhes franceses, fez com que em 2015 a vinícola recebesse o prêmio de melhor champagne/vinho espumante do ano pelo The Champagne and Sparkling Wine World Championships 2015!! Tanto prestígio assim está atrelado a muita dedicação e paixão. E é na paixão que tem início a história secular da cantina. Giulio Ferrari conhecia muito suas terras e pôde confiar nelas para alcançar o sonho da sua vida: criar entre as montanhas do Trentino um espumante único, original e especial. Primeiro ele se dedicou à produção de uvas que fossem adequadas ao seu projeto. Depois de obter sucesso nesse quesito, Giulio Ferrari procurou a perfeição na produção de espumante, usando uma prensagem mais delicada para as uvas; selecionando as leveduras mais adequadas e deixando a segunda fermentação ocorrer lentamente nas garrafas. Nasceu assim, no ano de 1902, o primeiro espumante da cantina Ferrari. Giulio não estava atrás de sucesso; sua meta era alcançar um alto nível de qualidade para seu espumante, mas, com o tempo, os prêmios e o reconhecimento internacional apareceram. Em 1952, Bruno Lunelli, proprietário de uma loja de vinhos, decidiu apostar no produto e assumiu a direção da Ferrari. Profundo conhecedor do setor, direcionou a vinícola para o aumento da produção, sem perder a qualidade. O mercado mostrou que ele estava certo e o Ferrari se tornou um líder entre os espumantes produzidos com método clássico na Itália.